terça-feira, 30 de julho de 2013

Nosso problema: Não reconhecemos...


Veja caro leitor(a), se você for Cristão, veja o que conta a Bíblia: Certa vez num barco, no meio do Mar, se encontravam os discípulos de Jesus Cristo. O Mestre não estava com eles. De repente, surge, na frente do barco, um homem andando sobre as águas. Os Discípulos com medo, gritaram: é um fantasma. Mas Jesus os conformou dizendo: não tenham medo, sou eu. Simão Pedro,  cheio
de ânimo, disse, Senhor, se és tu, que vens aí, me permite que eu vá ao teu encontro. Vêm, respondeu Jesus a Pedro. Pedro saiu do barco, começou a andar sobre as águas, mas,  ao perceber o incomum, não acreditou, e começou a afundar. Pediu, recebeu e não acreditou que esta recebendo.

Se você não for Cristão , e  preferir um outro paralelo,  veja: Napoleon Hill, um dos maiores escritores que o mundo conheceu,  contou sobre um homem a quem ele ajudou. Desesperado, chega em seu apartamento um rapaz a procura de ajuda. Senhor, falou o homem, tudo o que quero, é um lugar para dormir e comida para comer. Ao ouvir o que pedia aquele rapaz, Napoleon murmurou consigo: um lugar para dormir e comida para comer, num país tão próspero, como os Estados Unidos!  Porque não se torna um milionário, rapa? pergunta Napoleon. Não brinque comigo, respondeu o rapaz. Não tenho uma moeda no bolso, como posso ser um milionário? Se trouxer sua mente para o lado positivo, poderá. Na narrativa, Napoleon diz: "houve uma época em que eu estivera tão acabrunhado quanto aquele rapaz", por isso resolvi ajudá-lo. E depois de uma longa conversa, sobre a vida daquele homem, descobriu que ele havia servido o Exército. E no Quartel, havia sido cozinheiro, e, antes de ir para o Quartel, tinha sido vendedor de "algum tipo de bugiganga".

"Você é um risco que vale apena correr", falou Napoleon ao rapaz. E o hospedou em seu apartamento, usou seu crédito para comprar para ele algumas roupas e calçados, e ainda avalizou uma compra de utensílios de cozinha, uma nova linha que acabava  de ser lançada no mercado americano. Isto depois de uma longa conversa. 

A sugestão foi a seguinte: Você, que foi cozinheiro no quartel, e que antes, foi vendedor, promove um jantar e convida as senhoras da cidade. O jantar será preparado e servido nos novos utensílios , e será gratuito.  no final você anota os pedidos dos utensílios. Onde vou encontrar dinheiro para comprar tudo isso? Um tipo de pergunta própria de quem ainda não se encontrou, dizia Napoleon.

Com o aval de Napoleon, tudo foi comprado, o jantar foi oferecido. E no final de tudo houve um lucro líquido de 3 dólar. O rapaz repetiu o jantar por várias vezes, começou a treinar uma equipe de vendedor, e "no final de 4 anos, o homem que estivera tão faminto e tão longe de se tornar um milionário, valia mais de 10 Milhões de dólar".

Senhores(a), muitos textos, parecidos com o que acabo de narrar, são contados em grandes livros. Já publiquei aqui, vários, baseados em grandes leituras. Você deve perguntar: o textos servem para o blogueiro? E eu respondo: Aos 22 anos de idade, há 27 anos atrás, eu registrava uma Micro Empresa, e antes, depois que deixei o Seminário, fui vendedor em uma grande loja, em São Luís. Éramos 68 vendedores, e sempre me destaquei entre os 3 primeiros. É uma longa história, que de vez em quando vou contar um pouco. Me distanciei dos grandes exemplos, fracassei e tenho muita sorte de poder escrever e publicar um pouco da filosofia de vida que tenho visto.

Nosso questionamento principal aqui, é no que diz respeito ao fato de pedirmos, recebermos e na maioria das vezes não acreditar que estamos recebendo. Depois que passa, a gente, às vezes percebe que pediu a Deus, recebeu e não conseguiu segurar, porque não acreditou.






1
PENSE E ENRIQUEÇA


Napoleon Hill

Fotos da Freira Agropecuária -Palestra










segunda-feira, 29 de julho de 2013

Internado às pressas no MA, Sarney será transferido para SP



O senador José Sarney será transferido na terça-feira para o hospital Sírio-Libanês, em São Paulo. O ex-presidente do Senado está internado no hospital UDI, em São Luís, desde domingo , quando passou mal e foi internado às pressas. 

Veja mais:

"A Igreja no meio do povo"!


"Buscai primeiro a Deus"!

Numa entrevista feita com o Papa, algo aliás inusitado, pois o Papa não dar, ou não dava entrevistas, ele apontou como sendo, um dos prováveis motivos da Igreja católica perder espaço, a falta de evangelizar. Aí entra a outra Igreja, com o Pastor, e começa a fazer o que o Padre não vez, evangelizar, acrescentou o Papa. O povo tem sede de Deus, por mais que às vezes não pareça. 

A Igreja criou muitos documentos. Até, no que entendi, e gravei, para deixar de evangelizar. Aí o rebanho se espalha. O Pastor, ou o que deveria ser o Pastor, no caso, o Padre, deixa de fazer seu papel, deixa de ir para o meio do povo, se escondendo, muitas das vezes, em carros de luxo, ou outros ambientes, também de luxos, e atendendo ao povo, somente num momento determinado por alguma norma, por ele mesmo, o Padre, estabelecida. Entram em cena as mais diversas ocupações, no que toca a bens materiais, fugindo do que alertou Jesus, a Marta: "Marta,  tua irmã escolheu a  melhor parte"!

Senhores(a),seria isto uma crítica à Igreja na qual fui batizado? Depende da interpretação feita pelos caros leitores. Sem agressão com católicos, pois eu também sou, inclusive, fui por seis anos Seminarista menor.  Questionei com padres,  ou com Freiras, quando podia fazê-lo. Questionei inclusive com um Padre, Amigo, ex. colega de Seminário Menor, e que entrou para o Seminário um ano depois de mim. Zé vale foi ordenado Sacerdote em   Urbano Santos-MA,  Paróquia pertencente a Brejo, e que teve a Bênção de ter como seu Pároco por alguns anos, o francês, Padre Xavier Gilles de Maupeau, e que eu, sendo seu afilhado de Crisma, e tendo visto o que ele fez naquela cidade, como servo de Deus, me nego a acreditar que haja um Padre tão  Santo quanto ele. Santo do qual o nosso Papa Francisco, em sua entrevista, e que tenho gravada, falou, mas, que tais notícias não são tão divulgadas, como são as dos escândalos. 

Faço uma pausa para continuar sobre o que questionei com o Padre Zé Vale. Ele fazia questão de ficar mais tempo na zona rural, porque, como me dizia, não estava sabendo lidar com as questões da zona urbana, em virtude da questão política partidária, que tinha muita influência na Igreja. Questão que alias tinha obrigado a um Padre ter que fugir da cidade, em baixo da lona da carroceria de uma Toyota, de acordo com o motorista que o conduziu . Não era de se estranhar a  preocupação do meu amigo. Eu questionei, contudo, dizendo: Zé Vale, eu não aceitaria ser um Padre assim, sem poder determinar nada. Zé Vale contra-atacou:  "Tu não sabes de nada".

Não argumentei mais. Esperei seis anos. Já em Bacabal, soube de uma Romaria que estava acontecendo na cidade, onde o ex. Padre Zé Vale estaria, como um membro da CPT-Comissão Pastoral  da Terra. Eu estava um pouco afastado da Igreja, mas não podia deixar de rever  meu amigo, ex colega de Seminário, e agora também, ex Padre.

Visitar Zé Vale, perguntar o que tinha acontecido com o Ministério de Padre, era para mim, uma questão de honra. Eu, que deixei muitas vezes de cumprir a minha missão, ainda assim, o espírito crítico, e talvez arrogante, não me permitia ficar sem respostas. Mesmo que elas viessem depois de seis anos.

A notícia de que, Zé Vale não era mais padre, eu já tinha, e veio através do Padre Hélio Maranhão, conhecido como um dos Padres mais intelectuais do Estado do Maranhão, inclusive já era o Capelão geral da Polícia Militar do Estado. Zé Vale, de acordo com o Padre Hélio, havia trocado o Ministério, por uma mulher rica da Suíça. Mas, como ele falava em tom um pouco de humor, eu ainda tinha dúvidas.

Mas, como eu disse, e quase fugi, da visita a Zé Vale, o encontrei, já de cabelos grisalhos,  animado, com um microfone, cantando num palco formado por uma carroceria de um caminhão. Eu estava agora lhe fotografando, com um pouco de emoção...estava diante do amigo, que agora parecia me reconhecer. Quase parou de cantar... mas eu acenei a ele, deixando entender que não precisava pressa.

Fui ao seu encontro, numa pausa da música. Eu poderia simplesmente cumprimentá-lo, mas, mais uma vez o espírito crítico...e  fui empurrado a perguntar de cara: O que aconteceu, para você não ser mais Padre? Ele iniciou dizendo que não tinha deixado a Igreja. Mas agora, eu, que há mais ou menos seis anos atrás tive que parar de questionar, porque ele disse que eu não sabia de nada, contra ataquei: Não te perguntei isto, se estavas nos trabalhos do Igreja, te perguntei porque não és mais Padre. Lembrei da conversa que tivemos, havia sei anos. Ele explicou algumas coisas. Voltamos a nos tratar como amigos, era o que mais importava.

Mas, para o rebanho, do qual falou Jesus Cristo a Pedro, quando numa noite querendo Pedro dormir, e por três vezes lhe perguntou Jesus, de acordo com a Bíblia: Pedro, tu me amas? Ao responder sim, nas duas vezes, ficou Pedro um tanto preocupado, quado veio pela terceira vez a mesma pergunta. Quando respondeu ao Mestre: Senhor, tu sabes tudo. Sabes que eu te amo. Então, Jesus disse: Então "apascentas  as minhas ovelhas". Para o rebanho, para o qual foi designado Pedro, por Jesus, ainda na praia, com sua ocupação de pescador, quando já dizia Jesus: "Te farei pescador de homens". Para esse rebanho, convêm que o Evangelho seja pregado, se não por Padres, mas que seja pregado.

Escrito por Jeremias, Fotógrafo e blogueiro.

domingo, 28 de julho de 2013

O "Até breve" do Papa Francisco, no Aeroporto do Rio de Janeirro



O Papa Francisco, que durante a Semana da Jornada Mundial da Juventude, no Brasil, teve a acolhida, que como ele mesmo falou, agradável, deixa o povo Brasileiro, sobretudo o povo  católico, com muita saudade. 

A tristeza, quando se parte, é inevitável. Sei para que ele, um ser humano, que se esforça para ser o Discípulo, que precisamos ser de Cristo, e que, aqui esteve com essa missão, vai a saudade, de um povo "que fica chorando de dor", como diz a música. 

Lembra-nos da primeira visita de um Papa, aqui no Brasil, o Papa João Paulo II, quando em 1980, nos abençoou por várias cidades, inclusive em Fortaleza, na abertura do X Congresso Eucarístico Nacional, no Estádio Castelão, onde a pessoa que neste momento escreve este texto, portanto, eu, esteve, aos 16 anos de idade...que emoção! hoje pude sentir uma emoção parecida, nos milhares de Jovens da Jornada, que hora finda.

Que a Benção de Deus, que permitiu, que mais uma vez,  a pessoa, que temos como representante de Pedro, ao qual o próprio Jesus disse; "És Pedro e sobre esta pedra edificarei minha Igreja", o mesmo pedro,  que disse: "Pescamos por toda a noite e nada conseguimos. Jogamos as redes, ali também  onde está pedindo que façamos, e nada! Mas, por tua ordem, lançaremos as redes". Que sua Bênção nos faça, no mínimo, mais humanos.

O Lançar as redes, pode ser o que precisamos fazer, para ver a Glória de Deus. Não só a Glória, de uma rede cheia de peixes, literalmente, mas de uma Bênção que não se esgota.

Encerra na praia de Copacabana, no Rio de Janeiro, a Jornada Mundial da Juventude



Milhares de pessoas, jovens, ou nem tanto, estiveram na areia da Praia de Copacabana, por toda uma noite, enfrentando o frio, para o encerramento da Jornada, que aconteceu com a ultima missa do Papa Francisco, em sua primeira visita pastoral como Papa.

Casamento!




Ato que oficializa a união, entre um homem e uma mulher!  Parece que  assim,   encontrei  a definição.


Certa vez, de acordo com a bíblia, Jesus esteve em um casamento. Lá, prestando atenção nas coisas, ouviu, de sua mãe, o seguinte: "Olha, eles não têm mais vinho". A preocupação fazia sentido, porque, sem vinho, a festa acabaria. Afinal, a bebida alcólica é o energético contra o cansaço, ou contra o desânimo, e quando adicionada a uma festa de casamento, digamos, está completo o motivo da alegria. 

Frisei aqui, Jesus Cristo e sua mãe, e certamente os seus discípulos  também estavam no casamento, para explicar o tamanho da importância de um casamento. Afinal, caro leitor, o que poderia contar mais a alguém, do que um casamento, que une duas pessoas para uma realidade nova, na qual está sendo formada uma organização, que chamamos de família? Analisando rapidamente, não vejo outra coisa.

Qual a maior realização que alguém pode ter? o dinheiro? o poder? a fama? Tudo isso, só terá sentido, se acompanhada de um parceiro ou parceira. A própria natureza nos dotou da necessidade de ter alguém. O próprio Deus, lá no livro de Gêneses: O homem estava  só e viu Deus que não era bom. E logo deu a ele uma companheira, ao  ponto,  de ao vislumbrá-la,  dizer: "Carne de minha carne e osso dos meus ossos"! Pois Deus usou da carne e do  osso do homem, para lhe fazer a companheira ideal.

Estamos postando...

sexta-feira, 26 de julho de 2013

Feira agropecuária em Bacabal

Encerra amanhã, Sábado, 27 de Julho, com um leilão, a 8ª Agrofeira de Bacabal.

Veja fotos do recinto:







Justiça é o que mais queremos

A palavra justiça, parece ser a resposta que o mundo precisa!

Mas, o que viria a ser justiça?
Resposta: Diz-se, que, veio do Latim, Justitia, que diz respeito a igualdade. É o princípio básico de um acordo. Mas, eu responderia com palavras simples, sem querer saber de onde se origina a palavra. Eu seria um sábio, por acaso? ou um pobre miserável, que escreve qualquer coisa, que com muita sorte, é lido por alguém? Não, eu não sou um sábio, nem um pobre miserável, que escreve qualquer coisa, e que por sorte alguém ler. O mundo, quando foi formado, de acordo com o que nos ensinou a Bíblia, foi formado, com tudo o que nele existe, para servir ao homem, e o Criador até disse: "Sejam férteis e multipliquem-se! Encham e subjuguem a terra! Dominem sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu e sobre todos os animais que se movem pela terra".Gênesis 1

O que eu responderia como sendo justiça: É o resultado que sai de uma balança, cujos lados estão livres de peso, e que assim,  mostrará o peso do que nela foi colocado, sem a interferência de qualquer que seja o olhar, que pendam para este ou aquele lado. Ou se preferir, podemos resumir na resposta dada por  Jesus Cristo, a alguém quando  tentava colocá-Lo contra o Império Romano, que tinha na época, César Augusto,  como Imperador. Isto, com o intuito de levá-Lo à condenação pelo mesmo Império.  Olha mestre, César está cobrando imposto, é justo pagar? Jesus, sabendo do que se tratava, pediu uma moeda, vendo nela o retrato de César, perguntou: de quem é este retrato? de César, respondeu lá a pessoa. Dê a César o que é de César e a Deus o que é de Deus.

Aqui, acima, está a resposta que precisamos. Mas porque iniciei o dia com este assunto? 

Todas as vezes que assistimos a um noticiário na televisão, que fala sobre alguém que foi assassinado, por exemplo, ouvimos de seus familiares: "Queremos justiça". Quando, em época de eleição, vamos às urnas, escolher o "representante", também queremos Justiça, que significa, que quem teve mais voto, seja o escolhido.

Mas, senhores(a), quando temos um representante, queremos, exigimos e precisamos encontrar nele um senso de justiça, qualidade alias, que precisa ter, acima de tudo, alguém que venha a se candidatar a representar um povo. 

Você, cidadão, ou eu, precisamos ser justos, como pede Jesus Cristo. E quando somos injustos? por exemplo, quando pegamos o que não é nosso, quando chamamos para nós o mérito que é  do outro, quando compramos e não pagamos, quando praticamos um erro que afeta outra pessoa... e caro leitor(a), será que eu me enquadro, em algum dos itens?  pode ser que sim, e certamente. Mas, quando iniciei este texto, sabia o que precisava deixar claro. Nesta semana, escrevi um texto sobre Zaqueu, que queria, por curiosidade, ver Jesus, mas se surpreendeu, quando do meio da multidão, Ele disse: "Zaqueu, desce daí, pois me convêm que eu fique em tua casa". E a decisão de Zaqueu, de reparar seus erros, foi tão grande, que prometeu pagar até 4X mais, o que tinha tirado dos outros. Seja esta, a nossa atitude, a partir de hoje. Assim, estaremos nos preparando para um futuro mais brilhante, que construiremos, a partir de hoje, para nós,  nossos filhos e para o mundo, que ganhará uma visão de justiça, capaz de construir um progresso que a todos assegure liberdade e paz.

Escrito por Jeremias, Fotógrafo e blogueiro.




quinta-feira, 25 de julho de 2013

Um momento especial para os brasileiros

Estamos vivendo um momento especial. Nós o povo brasileiro, estamos com o Papa, ou o Papa está conosco, como preferirmos.

Estamos sediando a 27ª Jornada Mundial da Juventude.  A mensagem principal, será, sem dúvida nenhuma, a aproximação de Deus, mesmo com outras palavras.

O mundo parece sem controle. O homem parece não controlar mais sua emoções. A falta de Deus parece visível. O desejo de ter, e ter, no que diz respeito a bens materiais, a tudo supera. Conhecemos a Glória do dinheiro, adoramos, não a "imagens e esculturas", ou outros símbolos religiosos, mas ao dinheiro. A medida do ter, que nunca enche, nos induz...empurra mesmo às pregações grandiosas, e  às promessas de milagres. Citamos o dízimo, como pedido da lei de Moisés, porque o dinheiro tem poder de compra, mas esquecemos do "Amai-vos uns aos outros"de Jesus Cristo, porque nada exige e nada obriga. Falo do Cristo que disse: Aqui está quem é maior que as leis, que Salomão, que Moisés, que Sábados e todo tipo de hipocrisia que os homens praticam. Falo do Jesus que disse: "nunca vi fé tão grande, nem em Israel. Em verdade virão muitos do Oriente e do Ocidente e tomarão assento à mesa, com Abraão". 

É lamentável, senhores(a), ver, cristãos, que têm nos ombros a responsabilidade de construir, através do Evangelho, um mundo melhor, abrindo mão da tarefa e correndo em busca do poder dos Homens e das riquezas materiais, nas primeiras chances que aparecem, mesmo que para isto tenha que mudar a forma de interpretação das leituras bíblicas, ou encontrar trechos que se adeque aos nossos atos. Se for preciso, usamos os capítulos e versículos bíblicos, a nosso favor, justificando o que nos agrada e advogando em causas próprias, tendo a Bíblia, que consideramos livro sagrado, como Juiz contratado para dar no final do julgamento, o veredicto final a nosso favor. 

Quando escrevemos textos assim, não nos colocamos fora dos erros acima citados, mas nos obrigamos a ver o erro e assim, evitarmos que nos venha o julgamento justo e eficiente de Deus.

Escrito por Jeremias, fotógrafo e blogueiro.

Um pouco do Maranhão...em fotos

 Aqui, a Igreja de Nossa Senhora do Carmo, em São Luis-MA

Você pode conhecer um pouco da história da igreja do Carmo através de pesquisa.

Fotógrafo: Jeremias 

 Centro Caixeiral, de acordo com a história, é uma das mas antigas Escolas de São Luís.

Fotógrafo: Jeremias

Igreja da Sé,ou Catedral de São Luís-MA
Fotógrafo: Jeremias




Palácio dos Leões- Sede do Governo do Estado
Fotógrafo: Jeremias



Bacabal-MA

 Calçadão, em dia de Domingo

Câmara Municipal

quarta-feira, 24 de julho de 2013

"Não deixem que os roubem a esperança", diz papa aos jovens em hospital no Rio


Veja detalhes do discurso Papa aos  jovens:

http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/rj/2013-07-24/nao-deixem-que-os-roubem-a-esperanca-diz-papa-aos-jovens-em-hospital-no-rio.html

Agora, mais Bacabal em fotos

Como prometi, aqui está mais uma foto de Bacabal. Aqui, a Secretaria de Cultura...





O Sacristão que queria ser Sacristão durante toda sua vida.

Havia no norte da Itália, numa cidade, uma Paróquia, cuja Igreja, um Sacristão, que há muito tempo exercia a função nos trabalhos da Sacristia. Ele queria, inclusive, morrer como sacristão. Aconteceu porém, que o Pároco, já com uma idade avançada, teve que sair, chegava o tempo de se aposentar. O Padre que saía para se aposentar, sabia do empenho do Sacristão, bem como seu desejo: ser Sacristão até o dia de sua morte. Mas, algo aconteceria que mudaria toda o desenho do mapa, feito por aquele cidadão italiano.

Um novo Padre foi indicado para aquela Paróquia, onde teve por muito tempo, o que agora se aposentaria. Ele, o que estava saindo tinha um entrosamento mais ou menos perfeito com os paroquianos, inclusive com  o Sacristão. Agora a Paróquia recebe um Padre jovem, e com novas ideias para sua nova casa, digo, sua nova Paróquia. Uma das quais, era de não aceitar no quadro da Igreja, funcionários que não soubesse ler e escrever, e seria enquadrado na nova norma, o nosso 
amigo, cuja narrativa tem seu título, o Sacristão.

Sabendo da decisão do Padre, o sacristão entra em desespero. Pede à comunidade que intercedesse junto ao Padre. Sem sucesso. A decisão estava tomada e o novo Padre dizia: O sacristão, se não souber ler e escrever, já está fora do quadro dos funcionários da Igreja, e ponto final.

O Sacristão se apresentou durante a noite, onde recebeu oficialmente sua demissão. E ao sair dali, entrou em pânico, resolvendo inclusive não voltar para sua casa, pois, como dizia consigo, não sabia o que dizer em casa.

Perambulando pelas ruas da cidade, foi à procura de comprar alguns bombons de chocolate, pois tinha muto gosto por chocolate, a ponto de parecer viciado. Mas, como falamos, já era tarde e não tinha mais comércio aberto àquela hora da noite. Foi quando lhe veio à mente: Amanhã de manhã vou procurar chocolates para revender, assim, também posso comer, mais barato.

No dia seguinte, colocou em prática sua ideia, comprou alguns chocolates e saiu vendendo. Você pode já está de "saco cheio" com a leitura, por não saber omo vai terminar. Mas, senhores(a), ele continuou vendendo chocolate...no final de mais ou menos quatro anos, o Sacristão, aquele senhor já com uma idade avançada, e tão deprimido, no momento de sua demissão, a ponto de não querer voltar para sua casa, de tão desnorteado que estava, era o maior fabricante de chocolate do norte da Itália.

A fama do fabricante de chocolate correu por todo o país, chamando a atenção de um grande banqueiro do Sul, que reunindo seus acionistas  decretou: Preciso ter esse homem com uma conta aberta em meu banco. Os senhores irão encontrá-lo onde ele se encontrar, e façam-no nosso cliente.

Os acionistas, cumprindo o que acabava de determinar o chefe, pegaram um voou rumo ao norte, com duração de quatro horas. Chegando à cidade onde estava a maior fábrica daquele homem, se dirigiram ao seu escritório, onde o encontraram, e depois de uma conversa, disseram: Viemos aqui com a missão de fazer o senhor um cliente do nosso banco.

Não tem problema, o que posso fazer, para me tornar o cliente do banco? perguntou o maior fabricante de chocolate. Somente assinar aqui. Apontando o lugar no papel, onde seria feita a assinatura, ficaram aguardando...

Assinar, não posso, pois não sei ler e nem escrever... foi a resposta dada.
Com espanto, perguntou um dos acionistas: o senhor não sabe assinar? não senhor, não sei, respondeu  aquele tão desejado, possível cliente.

Depois de um breve silêncio, um dos homens do banco comentou: Se o senhor soubesse assinar, seria o homem mais rico da Itália!...
Não senhores, retrucou o homem, com um tom mais ou menos melancólico... eu seria Sacristão!


segunda-feira, 22 de julho de 2013

"Não trago ouro nem prata, mas algo mais valioso, Cristo"


Mais uma vez, estamos nós os brasileiros recebendo um Papa. Desta vez, o Papa Francisco, que com a humildade de um cervo fiel, chega ao Brasil, quebrando os protocolos, normais na visita de um Chefe de estado...

Veja aqui o linck: http://br.noticias.yahoo.com/papa-rio-trago-ouro-nem-prata-mas-valioso-213017404.html

Uma entrevista com Zaqueu, sobre o encontro que ele teve com Jesus Cristo

Repórter: Zaqueu, sabemos que você teve um encontro com Jesus Cristo. Como  aconteceu?
Zaqueu: Sim, via tanta gente, em Jericó querendo vê-lo. Eu não me importava muito. Bastante atarefado, não fazia parte da multidão que ia ao seu encontro, mas um dia, ouvi falar que Ele estava passando no meio de uma multidão, e quis vê-lo. Todos queriam...
Repórter: Você falou atarefado, qual era a sua ocupação?
Zaqueu: Eu era Coletor de impostos e  cuidava de uma equipe de cobradores, que tinham que cobrir toda a cidade.
Repórter: Mas, votando um pouco lá do encontro, fale mais como aconteceu.
Zaqueu: Eu decidi que viria o causador de tanto alvoroço na cidade, e em toda aquela região. Subi numa árvore...
Repórter: Você o viu?
Zaqueu: Parece que Ele me viu primeiro. Falou meu nome, pediu que descesse, e que ia à minha casa.
Repórter: Como foi a estada dele em sua casa?
Zaqueu: Eu comecei me retratando, porque não suportava ficar diante d'Ele. Senti-me culpado por meus atos.
Repórter: Você falou de atos. Quais os atos que se refere?
Zaqueu: Olha, como responsável por uma equipe que precisa produzir, a gente às vezes precisa cobrar com mais rigor, e acaba por pegar um pouco mais.
Repórter: Você falou em pegar, mais dinheiro?
Zaqueu: Sim, mais dinheiro.
Repórter: Zaqueu, Jesus Cristo sabia sobre os atos que você praticava?
Zaqueu: Hoje eu não tenho dúvida de nada a seu respeito. Sei que Ele sabe tudo, mas não me falou nada, eu é que não suportei recebê-lo com minha impureza. Naquele momento a única coisa que me importava era me livrar de tanta culpa.
Repórter: Você falou em se livrar, de que culpa?
Zaqueu: Dos meus erros.
Repórter: Jesus lhe pediu isso?
Zaqueu: Não precisou, a presença d'Ele é que não permite, a menos que você não tenha tido um encontro de verdade com Ele.
Repórter: Já que Ele não pediu nada a você, você também não prometeu nada, certo?
Zaqueu: O encontro foi mais do que um pedido, eu sentia que não podia ocultar nada a Ele.
Repórter: Você se tornou um seguidor de Jesus Cristo?
Zaqueu: A mudança é inevitável, e isso é que faz a diferencia. Quem quiser segui-lo não pode ter compromisso, nem mesmo com a vaidade de ser diferente, porque as honras do poder é d'Ele.
Repórter: Zaqueu, você pode dizer algo, como alguma sugestão, quem sabe...talvez de ter um encontro com Jesus Cristo?
Zaqueu: Ele falou aos seus, que, quanto à escolha, é Ele quem faz, a salvação vem pela graça, e falou que é preciso buscar o Rino de Deus, para ganhar a Vida Eterna...

Carro desgovernado, quebra a mureta da ponte e cai, matando o motorista


O Problema foi a ponte...

Vamos para um antes e um depois...

Primeiro foi assim,

Um Rio, cujas margens cobertas, por árvores frondosas, que respiravam, com ingazeiras, ou imbaúbas, vida para os animais que por ali viviam, como as capivaras, pacas, veados...algumas onças, que por ali faziam suas investidas, afinal, estavam em seu habitat, convivendo com suas presas! Tudo parecia muito bom. Apenas alguns caçadores, que de vez em quando passavam para algumas caçadas. As águas, profundas, onde peixes...muitas espécies habitavam. Barulho de motor, só de algumas lanchas, ou vapores, que por ali navegavam, fazendo o transporte de mercadorias Tudo ia muito bem, até que chega o progresso.

A necessidade de crescimento chega! O homem, precisando se expandir, constrói estradas, faz pontes, barragens, mesmo que seja necessário desmatar, expulsar nativos, ou algo mais. O progresso sugere a substituição de tudo. O horizonte vislumbrado pelos que buscam riquezas, não permite ver meio ambiente, e quando ele aparece, é com uma imagem desfocada.

Veio nossa ponte! O acesso aos carros, que agora passa a ser  uma realidade, já é permitido, e nossos motoristas, condutores de veículos, ou pedestres, que sabem que a ponte é uma necessidade, zelam por ela. Bom, com algumas exceções, quer ver?



Depois, ponte feita...


Depois, quebrada.

Normal,

 Quebrada em um lugar


Quebrada em dois lugares
















domingo, 21 de julho de 2013

Cavalgada da 8ª Agrofeira do Sindicato Rural de Bacabal

Vejam algumas fotos...










Mas, postaremos mais algo sobre a Feira

Osmar Noleto de Volta a Bacabal

Ao lado da esposa Dona Lúcia

A Comunicação de Bacabal terá de volta Osmar Noleto. Desta vez, o Jornalista Osmar, fará um trabalho voltado para o jornalismo. Não entrará em brigas políticas. Foi o que nos afirmou em conversa, em seu camarote, no Bacabal Folia. 

Mais detalhes, teremos logo mais, neste Blog.

sábado, 20 de julho de 2013

Uma história de superação!

Irmã Lany, como é conhecida em Teresina-PI,  vem prestando um trabalho de evangelização no bairro onde mora, através da sua Igreja, Assembléia de Deus. Ela enfrenta alguns problemas de saúde em virtude de um acidente sofrido há algum tempo atrás. Não prega contudo o sofrimento, mas a superação, que alias serve de lição para quem quer que leia sobre a tragédia, que aqui prefiro chamar de Bênção. Pois o Grande e Bondoso Deus, certamente não nos tirará nada, sem que ponha algo mais valioso no lugar. Por isto senhores(a), prefiro chamar Bênção, o que eu mesmo, imbuído de um possível desespero chamaria de tragédia.

É necessário, contudo, que nos empenhemos num esforço sincero em prol da saúde de Lany, para muitos, porque para mim, que tenho o privilégio de conhecê-la, e já faz um bom tempo, a chamo pelo nome, Cleverlânia.

A pessoa, mais determinada a viver, que conheço, senhores(a), chama-se Cleverlania, ou Irmã Lany, como os Cristãos de sua Igreja a chamam. O empenho, em prol de sua saúde, o mesmo que eu gostaria para mim, e que, certamente cada um nós, gostaria para si, é uma sugestão! Ou se preferir, é um dever...obrigação mesmo, que temos, uns para com os outros. E aqui, não se trata de hipocrisia, termo, aliás, que entre nós, que simpatizamos pelos ensinamentos de Jesus Cristo, infelizmente, ainda é muito visível.

No dia em que a humanidade viver, pelo menos um pouquinho do "Amai-vos uns aos outros, como Eu vos amei", estaremos nós, Homens e Mulheres, dessa ou daquela denominação, estaremos mais perto de um Paraíso...tão ensinado  em cada página da Bíblia, se não tão visível, mas, sem nenhuma dúvida, lida nas entrelinhas. E jamais pode ser esquecido, o último momento, de acordo com o que nos narra a Bíblia, quando o Mestre, antes de partir para sua Glória, ainda com os seus discípulos, disse: "Deixo-vos a Paz, não como a paz que o mundo oferece...Paz, capaz de construir um Reino, mesmo entre uma humanidade tão perversa, como a nossa.

Escrito pelo Fotógrafo e blogueiro Jeremias


Paróquia de Santa Ana, em Bacabal-MA, envia 42 jovens para a Jornada Mundial da Juventude

O Pároco de Santa Ana, Frei  Ribamar, organizou sua equipe, com 42 jovens para a Jornada Mundial da Juventude.

A saída foi acompanhada de peto pelo Pároco, que antes levou os jovens para um Café, oferecido pelo Deputado Estadual Roberto Costa, em sua residência. Ao término do referido café, o ônibus da viagem já estava esperando.

Veja fotos: